19 de junho de 2008

Na Moska...



Minha querida Andréa Mentor escreveu um comentário no meu post anterior que me emocionou .
Usando tb letras de duas musicas que eu adoro, tocou meu coração.
Vou escrever as duas letras que são maravilhosas e dizem muita coisa.
Em ambas as letras há um conteúdo dos meus ultimos posts.
Como acaso não existe, talvez esse post seja para meu próprio entendimento e percepção de alguns fatos que tem acontecido na minha vida.

Déa, esse post é em homenagem a você.
Bjão !!


A Seta e o Alvo
(Paulinho Moska)

Eu falo de amor à vida, você de medo da morte
Eu falo da força do acaso e você, de azar ou sorte
Eu ando num labirinto e você, numa estrada em linha reta
Te chamo pra festa mas você só quer atingir sua meta
Sua meta é a seta no alvo
Mas o alvo, na certa não te espera

Eu olho pro infinito e você, de óculos escuros
Eu digo: "Te amo" e você só acredita quando eu juro
Eu lanço minha alma no espaço, você pisa os pés na terra.
Eu experimento o futuro e você só lamenta não ser o que era
E o que era ? Era a seta no alvo
Mas o alvo, na certa não te espera


Eu grito por liberdade, você deixa a porta se fechar
Eu quero saber a verdade, e você se preocupa em não se machucar
Eu corro todos os riscos, você diz que não tem mais vontade
Eu me ofereço inteiro, e você se satisfaz com metade
É a meta de uma seta no alvo
Mas o alvo, na certa não te espera

Então me diz qual é a graça
De já saber o fim da estrada
Quando se parte rumo ao nada ?

Sempre a meta de uma seta no alvo
Mas o alvo, na certa não te espera
Então me diz qual é a graça
De já saber o fim da estrada
Quando se parte rumo ao nada...
***

METADE
(Osvaldo Montenegro)

Que a força do medo que tenho
não me impeça de ver o que anseio
que a morte de tudo em que acredito
não me tape os ouvidos e a boca
porque metade de mim é o que eu grito
mas a outra metade é silêncio.
Que a música que ouço ao longe
seja linda ainda que tristeza
que a mulher que amo seja pra sempre amada
mesmo que distante
porque metade de mim é partida
mas a outra metade é saudade.

Que as palavras que eu falo
não sejam ouvidas como prece e nem repetidas com fervor
apenas respeitadas como a única coisa
que resta a um homem inundado de sentimentos
porque metade de mim é o que ouço
mas a outra metade é o que calo.

Que essa minha vontade de ir embora
se transforme na calma e na paz que eu mereço
e que essa tensão que me corrói por dentro
seja um dia recompensada
porque metade de mim é o que penso
mas a outra metade é um vulcão.

Que o medo da solidão se afaste
e que o convívio comigo mesmo se torne ao menos suportável
que o espelho reflita em meu rosto
um doce sorriso que eu me lembro ter dado na infância
porque metade de mim é a lembrança do que fui
a outra metade não sei.
Que não seja preciso mais do que uma simples alegria
pra me fazer aquietar o espírito
e que o teu silêncio me fale cada vez mais
porque metade de mim é abrigo
mas a outra metade é cansaço.

Que a arte nos aponte uma resposta
mesmo que ela não saiba
e que ninguém a tente complicar
porque é preciso simplicidade pra fazê-la florescer
porque metade de mim é platéia
e a outra metade é canção.

E que a minha loucura seja perdoada
porque metade de mim é amor
e a outra metade também.

2 comentários:

Marcela Oliva disse...

Seta no alvo... alvo na seta... e a gente não sabe o caminho que nos espera...

Obrigada por esses 02 dias, irmã!Adorei ter minha irmã em casa esses dias!

te amo
Bjo-bjo

ANDREA MENTOR disse...

Pat querida, que surpresa linda!!! Num mundo onde a maior parte do tempo as pessoas nos chocam, surpreender é uma benção... Eu que fiquei emocionada! Estou ainda...

Músicas, como essas duas, lêem nossos pensamentos mas o mais impressionante é a sintonia que acaba unindo as pessoas. Mesmas músicas, mesmos pensamentos, questionamentos, dúvidas...

E, se "nada é por acaso..." que presente do destino menina!!

Mira no alvo... alvo na seta e, seta NA MOSKA!!! Amei!! Muito obrigada! Beijo grande!!