9 de abril de 2010

Parâmetro e Referência




Faço dança desde pequena.

Comecei aos 5 anos, por insistência da minha professora de alfabetização, que disse à professora de Dança da Escolinha e que estava convocando as meninas para um festival de dança.
Disse ela: " Bel, leva também Patricia, que não faz dança, mas vive dançando por ai. " - Me lembro dela falando isso até hoje, enquanto me puxava pelas mãos.

E a gente acha que criança não guarda as coisas...

Pois bem, eu participei do tal festival, e minha mãe motivada pela minha perfomance me matriculou na Ebateca, que até então era Escola de ballet do Teatro Castro Alves... lá na sala do Coro.

Paralelamente, fiz GRD por 12 anos no colégio que eu estudei (Marista), fazia parte da equipe do colégio e tudo. Ganhei medalhas etc. Era uma paixão. Nos dias que eu não fazia GRD fazia Ballet.

Aos 11 anos, pedi a minha mãe que me tirasse do Ballet e ela - INFELIZMENTE -  atendeu meu pedido.
Fiquei uns 3 anos fazendo somente a GRD... nesse período as competições se intensificaram.

Aos 15 anos e meio, conheci uma pessoa que mudou minha maneira de dançar e de ver a dança pra sempre.
Melânia Adam.
Super talentosa, temperamento forte e extremamente criativa, ela era a professora da Academia Kompasso, onde comecei a fazer então Jazz Dance.

Melânia é sem sombra de dúvidas uma das melhores - senão a melhor - professora de Jazz e dança que eu conheço.

É criteriosa, minunciosa, criativa, tem uma técnica incrível e faz com que você se torne a melhor dançarina que você pode ser.

Já fiz aulas em São Paulo, em diversas escolas, inclusive no ballet Stagium.
Já fiz aulas em BH.
Quando eu morava em Nova York, fazia aula toda semana na STEPS  uma conhecida academia de Dança na Broadway. Salas imensas, 50 mil aulas por dia.
Fiz aulas em Alvin Ailey também em NY e concorrente da STEPS.
Fiz aula na Califórnia com o coreógrafo de Britney Spears durante as férias de 2001.
E claro, fiz aulas em Salvador.

Nunca encontrei uma professora com as qualidade de Mel.
Já vi bailarinos melhores do que ela, claro.
Professores, poucos ou nenhum.

Os professores em NY são incríveis, claro. Com acesso à tudo aquilo, até eu !!
Fico as vezes imaginando se Mel tivesse tido oportunidade de ir para NYC...
Não ía ter pra ninguém.
Aprender com quem está muito à frente é realmente um privilégio.

Às vezes que ela ousou dar cursos em São Paulo, suas aulas são sempre lotadas.
É preciso que se entenda que como professora, você pode cair naquele gap da mesmice.
Pois mesmice é uma palavra que não se encontra no dicionário e nas aulas de Mel.

Ano passado, tive a felicidade de voltar a fazer aulas com ela. Uma academia aqui perto de casa chamou Melânia pra dar aulas.

Mal posso descrever minha alegria e contentamento.
Dançar é algo que palavras não são capazes de descobrir.
Quando você corre, não sente sua mente.
Quando você medita, não sente o corpo.
Quando você dança corpo e mente são um só.
É um momento de profunda felicidade.
Quem já me viu dançar pode bem atestar isso.

Pois bem, por razões que fogem da minha vontade, Mel não está mais dando aulas na academia aqui perto de casa.
Há uma professora nova, e porque não dizer substituta.

E o que tenho a dizer é o mesmo que digo todas às vezes que faço uma aula com uma nova professora: "Porra, Melânia. Você me transformou numa aluna muito exigente."

A ignorância tem seu lugar, devo dizer.
Há de se conformar com o que se tem, com o que lhe é possivel.
Mas como disse Einstein : uma mente que se expande não volta ao seu estado original.
É isso que o conhecimento promove: expansão de consciência.
Digo sempre que o aprendizado é um privilégio, e é.
Poucos são os que de fato valorizam o aprender.

A nova professora é uma excelente dançarina.
Como professora é mediana. Não é observadora, olha mas não vê suas alunas.
O erro passa desapercebido...
Como então haver o aperfeiçoamento ? Boa pergunta que gostaria de ver respondida positivamente se não fosse a resposta óbvia: Não pode haver aperfeiçoamento se há negligencia e repetição no erro.

Ah... a ignorância.... o não saber....
É duro saber o que é bom se não podemos tê-lo.
Uma vez que criamos parâmetro e referência - não medianos, claro - não é qualquer coisa que vai preencher.

Já liguei pra Mel, e terça feira vou láaa longe na academia dela... pelo menos 1 vez por semana estarei lá, pra libertar minha alma, fazer meu corpo dançar e deixar meu espírito feliz.

Deixa eu dançar !!!!

Cambio, desligo.

ODARA
(Caetano Veloso)

Deixa eu dançar pro meu corpo ficar odara

Minha cara minha cuca ficar odara
Deixa eu cantar que é pro mundo ficar odara
Pra ficar tudo jóia rara
Qualquer coisa que se sonhara
Canto e danço que dara

3 comentários:

San disse...

Oi Patricia! Eu tb fui aluna de Mel e concordo com cada virgula sua! Por onde anda essa mulher dançarina guerreira?? Morro de saudades dela, penso em voltar a dançar, mas não com qq professora, penso em voltar a dançar com Melania!! Se puder me envia o contato dela.
Um forte abraço, e se encontra-la manda um beijão pra ela tb!
Alessandra (San).

e-mail: leca_meira@hotmail.com

Thayana disse...

Oi Patricia
Sou Thayana e sou uma das filhas de Melania,e por acaso encontrei seu blog e justamente falando dela. Me deixou super honrada,e obvio que concordo plenamente com tudo que publicou. Nao sei se la ja viu, porem de qualquer forma enviei o link pra ela dar uma olhada. Enfim, Obrigada pelos elogios e comentarios tao cariosos a Mel. Grande beijo. Thayana (thayanafg@gmail.com)

Pompilio disse...

Pompilio jr.
Conheci Melania, ainda novinha, quando cursavamos Ed. física no Jõao Florencio Gomes, e sempre acreditei que estava em companhia de umas das mais talentosas e criativas Dancarinas, me encantava sempre com seu jeito e sua postura firme, não retiro uma vírgula do que vc escreveu, ela é maravilosa sim, para quem convive e conviveu como eu, hátempoe que não a vejo, mas nunca esqueci esse ser humano maravihoso.